Swipe to the right

Sinais de Fumaça

O mundo dos charutos e a arte de degustá-los

Vestido para fumar

Vestido para fumar

A secular smoking jacket protege as roupas do forte odor da fumaça dos charutos e é símbolo de elegância

No início do século 17, quando o comércio entre a Europa e o Oriente era praticado com grande intensidade, alguns produtos passaram logo a gerar grandes riquezas, trazendo consigo o luxo e o glamour. Tabaco, café, chocolate, sedas e especiarias influenciaram os hábitos de vestimenta, comportamento social e até alimentar de pessoas em toda a Europa.

Em meados do século 18, especialmente na França e Inglaterra (na época, uma referência de boas maneiras), o hábito de fumar charutos se espalhou entre os cavalheiros locais, tanto que nos trens existiam vagões próprios para apreciar charutos; e nos clubes e hotéis, salas. Nas residências de pessoas mais abastadas, entre os inúmeros cômodos, era quase obrigatório que um deles fosse uma sala para fumar charutos.

Esse hábito estava tão presente no dia a dia dos cavalheiros locais que passou a influenciar também a maneira de eles se trajarem, pois surgia a necessidade de uma vestimenta própria para proteger suas roupas do odor da fumaça dos charutos. Foi quando surgiu no século 19, na França, o le smoking e, na Inglaterra, a smoking jacket, desenhado especialmente para resguardar as vestes durante jantares da alta sociedade.

Após um jantar entre amigos, a anfitriã se retirava da mesa e as outras senhoras se despediam de seus maridos. Todos os homens então trocavam seus blazers ou paletós pelas smoking jackets e se dirigiam à sala de fumar charuto, onde iriam degustar um conhaque ou brandy, fumar e falar de política.

A smoking jacket, ou jaqueta de fumar, tinha a aparência de um "robe de chambre", normalmente feita de veludo, cashmere ou seda, delineado com cores brilhantes e ornamentado com grandes botões. As lapelas eram largas, ocasionalmente combinando com uma faixa do mesmo tecido em volta das mangas. Uma camisa social branca era usada por baixo, sempre com uma gravata borboleta ou echarpe. A calça sempre preta, azul-marinho ou cinza-escura com sapatos de amarrar ou enfiar pretos, em ocasiões mais sociais, ou mais intimamente, chinelos persas de seda.

Era comum um cavalheiro ter um retrato pintado usando uma smoking jacket. Existia até, para completar o traje, o smoking cap (ou "boné de fumar"), usado para proteger os cabelos dos fumantes de charuto. Era muito comum uma jovem donzela presentear seu namorado com um desses bordado à mão.

Nos dias de hoje aqui no Brasil nos referimos ao traje a rigor como smoking, nos Estados Unidos como tuxedo e na França e todos os países que falam a língua francesa como le smoking. Esse traje tem suas origens na smoking jacket e no fato de que o seu uso deva estar associado a uma situação em que elegância e requinte estão presentes e marcantes.

(texto publicado originalmente no livro Sinais de Fumaça, de Silvio Nunziato.
Para baixar o arquivo do livro completo, clique aqui)

Veja Mais

[profiler]
Memory usage: real: 38797312, emalloc: 38448832
Code ProfilerTimeCntEmallocRealMem